terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Desenho

No fim do ano passado resolvi me voltar mais para o desenho. Um pouco por causa da minha filha, pois grafite não tem cheiro, é mais rápido e fácil de usar também.
Mas o principal motivo foi o de exercitar o desenho mesmo, especialmente o gestual, e conseguir passar dele para um trabalho mais finalizado sem ter que trabalhar muito para concertar as coisas. Só que para não trabalhar muito no futuro, adivinha o que se deve fazer? É... trabalhar muito agora, até que seja natural fazer o mínimo necessário.
Conversei com meu professor e ele me deu algumas dicas de como voltar ao trabalho em grafite mas sem necessariamente voltar ao básico.

Peguei algumas referências de "Spawn"e "Wolverine" (HQs) e fiz algumas tentativas (talvez coloque algumas delas aqui mais tarde), até que como sempre uma referência de um senhor me aparece. Não pude deixar de desenhá-lo, utilizando (ou tentando) a mesma abordagem com o desenho gestual voltado para o todo e depois ir lapidando.

Na parte da camisa ainda é possível perceber as linhas do desenho gestual e como tive que ajustá-lo. Clique no desenho para aumentar.



domingo, 3 de janeiro de 2010

Vecchio

Este ano que passou não foi dos mais produtivos em relação aos estudos de pintura e desenho, especialmente após o nascimento da minha filha, a Laís.
Seja por estar cansado por causa de noites mal dormidas, por ter que cuidar da bebê ou simplesmente por não querer empestear a casa com o cheiro das tintas, a minha dedicação quase que se restringiu às aulas, o que é pouco pra um desenvolvimento mais significativo. Especialmente para alguém que não trabalha diretamente com pintura. Mas, dando sequência a minha tentativa de ser mais positivo, pelo menos não fiquei parado.

O último trabalho finalizado em 2009 foi a versão a óleo deste (clique aqui para ver) estudo em pastel.
Além da diferença do material, tive que fazer algumas adaptações para realizar este trabalho, além de aprender algumas coisas. Uma  delas foi a adaptação do formato, pois o estudo em pastel (e a referência original) eram quadradas, e a tela que tinha disponível era retangular. Para isso tive que pesquisar outro plano de fundo, que ocupasse melhor a tela, mas que ao mesmo tempo continuasse a remeter ao sul da Itália.


Vecchio (2009)


Após achar, dei início à pintura pelo sujeito principal, que apesar dos percalços normais, acabou surgindo sem grandes problemas. Mal sabia eu que a parte da paisagem é que me daria muito trabalho. Isto me faz lembrar do tempo que treinava Kung Fu, aonde os professores falavam "nunca subestime o seu adversário".


Vecchio (detalhe)


Mas com a ajuda de meu mestre, consegui superar os percalços.
Algo novo que ele me mostrou foi o uso da espátula para criar texturas diferentes, algo que gostei muito de fazer.