domingo, 27 de outubro de 2013

Perfil

Tenho pensado bastante no quanto tenho estudado em vez de produzir trabalhos mais finalizados.
É realmente muito bom conseguir fazer um "corpo de estudo" consistente. É aonde muito conceito técnico  passa da via racional para uma outra intuitiva. Fora os "toques" que você recebe dos mestres, sejam eles Rembrandt, Velazquez ou Sargent ou o seu professor, que vê você tropeçar nos próprios pés mas mantém a paciência e lhe mostra novamente o caminho.

Mês passado me inscrevi num Salão de arte (depois faço um post sobre ele) só que por investir tanto em estudos acabei não tendo obras recentes para me inscrever (acabei inscrevendo uma obra mais antiga e um estudo).
Por isso hoje eu resolvi fazer algo que eu consideraria algo finalizado, e o incrível que só esta mudança de postura em relação ao trabalho parece que já fez diferença.

Escolhi uma referência minha que queria por no papel e me preparei para o que normalmente seria algo muito mais .... pesado... uma batalha mesmo. Isso porque um estudo não tem responsabilidade... se sair bom, ótimo, mas se não sair, pelo menos que eu tenha feito o processo de forma correta, mas um trabalho final não tem muito dessa leveza.

Só que por tanto estudar, repetir e repetir, o processo que seria pesado acabou sendo muito prazeroso. Não digo que tenha sido a coisa mais tranquila do mundo, mas os problemas que apareciam eram apenas uma parte do processo, e não um problema além da imaginação.

Esta experiência me mostrou que é muito bom estudar, e é ainda melhor  por em prática o que se estudou e ver que não foi em vão.

Perfil (nome provisorio) - 21x27,5 cm
Grafite, lápis carvão e sanguinea sobre papel


segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Estudo dos mestres - Rembrandt

A obra se chama "Retrato de um homem velho em vermelho" e o meu estudo em pastel seco é apenas do rosto da figura.
Após estes estudos dos mestres (que ainda não acabaram), percebo que volto a me conectar com o processo, o que é muito bom.

Retrato de um homem velho em vermelho - estudo de  Rembrandt
Pastel colorido

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Estudo dos mestres - Edgar Degas

Outro estudo a partir de obras de mestres. Desta vez o escolhido foi Degas, e este retrato em específico pelo uso de cores bem saturadas e ao mesmo tempo bem equilibradas em um retrato.

Uma curiosidade é que embora tivesse contatos com os impressionistas e tenha influenciado e sido influenciado por eles, e talvez por isso seja chamado de impressionista, ele mesmo se denominava realista.

A grande dificuldade que tive foi conseguir usar certos tons no pastel, especialmente o vermelho e amarelo de cadmio, que são extremamente duros e acabavam quase rasgando o papel craft de baixa qualidade que usei. Para conseguir passar por esta dificuldade, acabei tendo que "relativizar" a saturação, fugindo do que a referência mostrava e tendo que trabalhar num grau menor de saturação, mas que no contexto faz o mesmo papel. Nada como o toque de um mestre ao seu lado para entender como os mestres trabalham.  Pena ter tirado apenas duas fotos no processo.

Passo 1 - primeiro dia.

Estudo finalizado.
Pastel seco sobre papel craft.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Estudo dos mestres - Diego Velázquez

Este estudo da obra "Costureira" de Diego Velázquez (que a princípio eu achei que fosse do Vermeer) foi feito duas ou três vezes, até este que foi o último. Nas vezes anteriores algo da base saia errado e achei melhor refazer por inteiro da melhor maneira do que ir "remendando".
Como sempre as obras de mestres são muito mais sutis e inesperadas do que achamos num primeiro olhar e talvez por isso tive que refazer algumas vezes, por que é difícil entender rapidamente como chegaram naquilo.


Estudo de Velázquez
 Pastel seco sobre papel craft

terça-feira, 9 de julho de 2013

Sessão de retrato - junho de 2013

Nada mais justo do que colher os frutos do que se planta. E tenho plantado muito desenho, especialmente gestual. Por isso percebi uma melhora na abordagem e na resolução dos problemas que a sessão de retrato me propôs.
Novamente eu escolhi utilizar as 4 sessões não para completar uma pintura, mas para fazer vários exercícios. O primeiro deles foi o gestual utilizando carvão e lápis carvão.
Como as circunstancias atuais na minha vida não permitem trabalhos mais longos, tenho feito mais desenhos gestuais, a maioria com grafite, o que me ajudou bastante neste primeiro exercício.

Retrato ao vivo - carvão
(clique para aumentar)

Na aula seguinte utilizei giz pastel em tons de cinza. Até que me virei relativamente bem com os problemas extras que o uso de valor traz... 

Retrato - giz pastel em tons de cinza
(clique para aumentar)

Nas duas outras aulas eu usei giz pastel colorido e, por falta de treino ou por algum cacoete, tive alguns problemas, especialmente por usar cores muito saturadas, o que torna difícil o controle.
Fiz uma primeira tentativa frustrada e depois um segundo que avancei mais, mas com os mesmos problemas.

Retrato - giz pastel colorido
(clique para aumentar)

Duas fotos que vou colocar por curiosidade.
A primeira estão todos os estudos juntos, inclusive o que parei na metade, e na segunda uma foto minha, da modelo e do desenho juntos.




Foto de Elisa Takiguthi

quarta-feira, 6 de março de 2013

Gestuais - Março de 2013

Outra sessão de gestual e mais uma vez os mesmos problemas assombram a prática.
Ainda tenho meus lapsos de focar no desenho final, até mesmo na fisionomia, o que desvia a prática para longe do ideal, que é a não intenção, o não pensamento.

Este discurso, por mais que possa parecer com certos discursos moderninhos de "liberte-se, solte a mão e sinta..." ou "faça uma pincelada expressiva", está bem longe disso, pois toda a pratica é guiada por conceitos  e é a prática que é expressiva, quando bem executada. É um caminho longo e que sempre tem seus buracos, alguns grandes o bastante para te engolir, se seu ego estiver no comando.

Mas apesar dos percalços, consegui enxergar alguns pontos positivos no exercício, ligados especialmente a uma postura ligeiramente diferente, algo talvez tão pequeno que nem se reflita muito nos desenhos, mas que para mim já se mostra.

George Clooney - Carvão
(CLIQUE PARA AUMENTAR)

Black power - carvão
(CLIQUE PARA AUMENTAR)







sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Expondo no Museu do Louvre

A maioria dos posts deste blog é de estudos ou desenhos rápidos, então ou escrever este post sobre esta exposição que participei em 2011.

Quando comecei a estudar desenho, a ideia de entrar em uma exposição de arte me parecia algo muito distante, um outro mundo. Com o tempo e aprendizado, fui participando de alguns salões e até ganhando alguns prêmios pelo caminho.

Em 2011 recebi um convite para me inscrever num salão internacional. Já havia participado de 2 outros salões internacionais antes. Um em Londres no ano de 2007 aonde fui premiado com Menção Honrosa com o desenho em pastel "Gordo" e o outro em 2009, em Roma, com o desenho em pastel "Monge", quando ganhei a medalha de prata. Na época fiz este post, falando também sobre minha primeira filhinha que havia nascido.


"Gordo" - Giz pastel seco
Menção Honrosa
Londres 2007
"Monge"- Giz pastel seco
Medalha de prata
XXXIII Troféu Medusa Áurea -  Roma 2009







O que me chamou muito a atenção do convite que recebi é que neste ano o salão seria feito em Paris, no Museu do Louvre. Sob a pirâmide existe um lugar chamado "Carrossel du Louvre", aonde existem algumas galerias, e em uma delas seria a exposição.
Me inscrevi com uma pintura que fiz de minhas duas filhinhas (a segunda ainda era um bebezinho). Era uma honra estar com uma pintura minha num espaço como o Louvre, então achei que as duas poderiam me representar bem.
O tamanho era fixo, 30x40 cm, para viabilizar o transporte.
Fiz alguns desenhos em grafite para entender melhor e simplificar as figuras.




Com pouco tempo para finalizar a pintura, deixei o mais simples possível, o suficiente para passar a sensação que queria com as duas, sem rebuscar demais .
Fiquei muito feliz quando soube que havia ganho a Medalha de Ouro neste salão, algo que eu não esperava.


"Irmãs" - óleo sobre papel, 30x40cm
Medalha de Ouro
Museu do Louvre - Paris - França


sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

O grito - passo a passo (wip)

Aqui está um rápido passo a passo deste desenho que fiz em mais ou menos 25 a 30 minutos. É um desenho em grafite num sketchbook que fiz para treino, mas que vai servir para pintar mais tarde.

Passo 1 (clique para ver maior)
 Após um gestual bem rápido tentando me focar no todo, parti para o uso de massa aberta (nota mental: ficar mais tempo no gestual antes de partir para  o uso de massas e usar  mais hachura). Mesmo assim acho que nesta fase ainda estaria bom para voltar ao gestual e estruturar melhor.

Passo 2 (clique para ver maior)
 Comecei a abaixar os valores um pouco rápido demais. Poderia ter sido um pouco mais delicado para evitar queda abrupta do valor em alguns momentos. Mas ainda deu pra controlar relativamente bem. Nesta hora o gestual que mencionei no passo anterior fez falta e acabei tendo que segurar o desenho meio "na marra" aqui e ali para não desandar demais.

Passo 3 (clique para ver maior)
Ta aí... desenho terminado. Após essa foto, ainda arrumei o nariz, mas mexi muito pouco.
Se existe alguma pergunta que queira fazer sobre alguma parte do processo que não está descrita, não se acanhe, comente! Ou use os botões das mídias sociais aí em baixo.

Obrigado!





sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Presente de natal - passo a passo

Neste natal fiz uma sequencia deste presente dado no dia das mães de 2011.
Poucas semanas antes me disseram que eu não tinha feito nenhuma obra com a minha filhinha caçula. Não é bem verdade pois fiz este desenho com ela ainda no hospital e ela ainda foi modelo junto com a irmã num pequeno quadro a óleo (que pensei já ter mostrado aqui mas acho que não). Este quadro inclusive ganhou o primeiro lugar num salão realizado no Louvre, em Paris (farei um post com ele em breve).

Voltando ao presente, fui tirando algumas fotos do passo a passo deste retrato a carvão. Pra variar as fotos não estão boas mas dá pra ter uma ideia do processo.

 
Passo 1  (clique para aumentar)

Um problema que tive que resolver é que minha referência estava cortada e não aparecia o lado com a sombra da cabeça dela. Para resolver acabei pegando uma outra foto dela numa posição mais ou menos parecida e construir não só a cabeça como metade da mãozinha.


Passo 2 (clique para aumentar)

Não tive tempo para colocar a moldura, então esta última foto dele finalizado não esta nem cortado ainda.
Fico devendo uma fotografia da obra com a moldura e ao lado da outra pra formarem um díptico (que foi minha ideia desde o começo).


Passo 3 (clique para aumentar)